03 junho 2011

Cine pipoca: Edit Piaf

Acho que já falei minha paixão por filmes aqui no blog. Então, sempre que possível irei falar sobre algum que vi e gostei muito ou claro, que está em cartaz e super irei indicar. Desde que encontrei a locadora Oscarito (já falei aqui nesse post) que tenho viajado na máquina do tempo, e visto filmes antigos, clássicos do cinema. O dessa semana nem é tão antigo, pra falar a verdade é até recente, mas como revi esses dias (já perdi as contas de quantas vezes vi esse filme desde que o comprei) achei que valia a pena um post. Edit Piaf - Um hino ao amor. Já viu esse filme?



Achei essa película tão intensa, tão comovente, que comprei filme, CD (amei, amei, amei a trilha sonora) e vira e mexe estou revendo. O filme conta sobre a batalha pela vida de Edith Piaf (interpretada brilhantemente por Marion Cottilard). Abandonada pela mãe, foi criada pela avó, dona de um bordel na Normandia. Dos 3 aos 7 anos de idade fica cega, recuperando-se milagrosamente. 


Viveu com muitas privações, morou em circo, num bordel e nas ruas da França (onde o pai fazia performances acrobáticas em troca de esmolas).Aos quinze, se separou dele e, já sabendo o dom que carregava, passou a cantar pelas alamedas de Paris para garantir o sustento. Aos dezenove, perdeu a sua única filha, Marcelle (com apenas dois anos), vítima de meningite aguda., Mais tarde vive com o pai alcoólatra, a quem abandona aos 15 anos para cantar nas ruas de Paris. Em 1935 é descoberta por um dono de boate e neste mesmo ano grava seu primeiro disco. A vida sofrida é coroada com o sucesso internacional. Fama, dinheiro, amizades, mas também a constante vigilância da opinião pública. Uma atriz que viveu intensamente e morreu jovem em 1963, aos 47 anos de idade, com a saúde abalada pelos excessos, pela morfina e todo o sofrimento de uma vida. Vale muito a pena ver o filme não somente pela estória, mas pela belíssima trilha sonora (eu amo, confesso!)



A minha parte preferida, que vejo e me emociono... sempre!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PENSAMENTO SOLTO